Vampiros do Brasil
Seja Bem vindo ao Fórum Vampiros do Brasil!!!

Para ver o conteúdo Completo do nosso Fórum
Faça Login ou registre-se.

Além de você se registrar estará ajudando o Fórum a crescer.
Como usuário registrado poderá Comentar, Postar e ainda fazer muitos amigos.

Equipe Vampiros do Brasil



 
InícioRegistrar-seConectar-se
Olá Convidado...Seja Bem Vindo(a) ao Vampiros do Brasil. Onde todos os jogadores de RPG se reúnem em um só lugar !
Deseja jogar nos PIF's de Vasta ou Bela Noite?
Mande uma Mensagem Privada para nossos Moderadores.

Compartilhe | 
 

 Essien

Ir em baixo 
AutorMensagem
Essien

avatar

Masculino Número de Mensagens : 21
Idade : 99
Localização : Nuvem.
Data de inscrição : 16/06/2018

Ficha Vasta
Jogador: Arvedui
Sexo: Masculino
Raça: Orc

MensagemAssunto: Essien   Sab 16 Jun - 9:43

Características Básicas

Nome: Essien
Jogador: Arvedui
Sexo: Masculino
Raça: Orc
Classe: Monge
Idade Aparente: 22 anos
Origem: Monastério Aganju, muito além dos confins de Vasta.

Atributos Sociais

Ocupação: mensageiro/sentinela
Corporação: Monastério Aganju
Título: nenhum
Localização: Atualmente, nos arredores da Floresta.

Atributos Físicos

Altura: 2 metros
Peso: 120kg
Olhos: negros
Cabelos: negros
Pigmentação: negro
Peculiaridade: possui a pele negra repleta de cicatrizes dos árduos treinamentos que recebeu no monastério

Atributos Psíquicos

Temperamento: sereno.
Afinidade: nenhuma.
Aversão: nenhuma.
Ideologias: aperfeiçoamento espiritual/compreensão dos seres sencientes

Outros

Aptidões: luta desarmada e com bordão, domínio do chi.
Posses: nenhuma
Vestes que Usa: calças e luvas de couro, brincos, cinto e colar de osso.

Foto do Personagem:
Spoiler:
 


Personagens que a acompanham (não jogadores): nenhum

História:

O mundo é um lugar cruel para pessoas como eu: nasci com a aparência errada para o lugar errado, num momento que não pode ser considerado como o melhor para tanto. Ademais, sou orc; sim, orc. Faço parte do grupo de seres que mais gera ojeriza em relação aos demais. Sou, antes de tudo, um monstro. Sentimentos? Ninguém imagina que eu os tenha; sonhos? Talvez morrer com glória em uma batalha na qual sequer tenho noção de por que estou lutando; Medos? Pensa-se que qualquer punho mais forte que o meu seja suficiente para me fazer correr; objetivos? No máximo, comer um naco de carne ao fim do dia e violar alguma jovem camponesa por diversão. Essa é a imagem que criaram de mim e dos meus (com alguma razão, devo admitir); isso não é, absolutamente, o que sou.

Pouco sei de minha história além do que me contou o Irmão Mbala, do Monastério Aganju, onde fui acolhido com um dia de vida. Mais do que esse pouco, não desejo saber, não me faz falta em minha busca. Em resumo, nasci com a pele negra como a noite, na noite mais amaldiçoada do ano, numa tribo em que o negro na pele e o negro da noite maldita eram suficientes para tornar a mim o receptáculo dos piores demônios - demônios que amedrontavam até mesmo os orcs. Meu destino era ser retalhado em pedaços, ter minha carne retirada dos ossos e reduzida a cinzas pelo fogo, ter meus ossos carbonizados para combinarem com o tom de minha pele e, por fim, ser enterrado em algum pedaço de chão árido, sem identificação e longe de qualquer lembrança consciente. Felizmente - ou não, a depender de como você interprete -, fui salvo desse destino cruel por um gesto estranhamente cordial daquela que dizem ter sido minha mãe: não permitindo que eu fosse retalhado - abandonando-me às portas do Monastério -, ela própria chamou para si o destino que deveria ter sido meu, segundo dizem. Não me interessa, faz parte de um passado que não conheci. Oro a qualquer entidade que porventura escute a minha odiosa raça que a tenha recebido bem, se de fato existir algo além deste plano.

No monastério, segundo me contam, a imensa maioria dos monges pretendia me presentear com uma morte piedosa, livrando-me das agruras que a vida viria a me reservar: pois eu era orc, eu era negro e eu era amaldiçoado. Irmão Mbala, contudo, enfrentou a todos. Sendo ele um dos mais sábios e, sem dúvida, o mais habilidoso, foi ouvido - por medo, talvez por respeito, mas não por compaixão a mim. Pelas palavras de Irmão Mbala eu conheci a sabedoria, a comunhão e compreendi que, embora todos pareçam pensar diferente, eu componho, com todos a minha volta, o mesmo nada que molda o universo. Pelas mãos de Irmão Mbala eu conheci a força que tenho, desenvolvi a habilidade manual, a destreza e a agilidade de um exímio artista marcial. Por fim, pelo espírito de Irmão Mbala, eu conheci os segredos do chi.

Por mais de 20 anos vivi sob os cuidados de Irmão Mbala dentro das paredes do Monastério. Do mundo, conheço pouco além do que li nos livros. Sim, eu os li. Por meio deles compreendi parte dos motivos que levam as demais raças a ojerizar a minha; por meio deles percebi que jamais serei benquisto em lugar algum no qual eu chegue; por meio deles, todavia, percebi também que a odiosidade dos orcs não é algo inato, mas meramente circunstancial, fruto de uma sociedade moldada à abominação; por meio deles, por fim, desenvolvi uma mentalidade que, ao mesmo tempo, me afasta e me aproxima de minha gênese: continuo sendo orc - e, hoje, posso dizer que não me envergonho de minha origem -, mas me tornei o oposto de qualquer orc, por ser tolerante.

Como eu dizia, por mais de 20 anos vivi no monastério: fui mensageiro, fui carpinteiro, fui sentinela, fui cozinheiro, fui caçador; mas também fui noviço, fui aprendiz e, por fim - e por força de Irmão Mbala - fui (sou) monge. Aprendi a sobreviver, aprendi a obedecer, aprendi a combater e a proteger. Irmão Mbala era sempre meu baluarte, já que eu permanecia odiado e ojerizado, mesmo que com o passar dos anos eu demonstrasse de forma cada vez mais categórica que não apresentava "sinais" de orc. Paz nunca conheci; respeito tampouco. Conheci o ódio alheio - em mim ele não subsiste -, conheci a dor pelas mãos dos mais fortes - até que eu mesmo me tornei o mais forte - e conheci a solidão quando Irmão Mbala finalmente deixou esse plano de existência.

Isso não faz muito tempo. Alguma moléstia, creio eu. Humanos são fracos por vezes. Tudo os reduz a nada. Irmão Mbala definhou, tornou-se uma carcaça de ossos envolta por carne seca e enrugada. Estranhamente, aquilo não me condoeu: foi essa ausência de sentimentos que me demonstrou com mais força minha ascendência orc. Não me condoeu, mas me modificou. Eu cavei sozinho o túmulo de Irmão Mbala, eu o enterrei sozinho - pois, com o tempo, ele passou a ser ojerizado por minha causa - e eu, valendo-me das palavras que aprendera com meu mentor, despedi-me sozinho de Irmão Mbala.

Feito isso, ainda na primeira noite, deixei o monastério. Isso foi há pouco mais de um ano. A princípio, vaguei sem rumo: um viandante perdido na imensidão de um mundo que antes nunca conhecera. Todavia, a rotina monástica estava demasiado arraigada em mim. Mantive-a durante o cotidiano nômade. Recuso-me a adotar o nomadismo mendicante que alguns de minha ordem parecem admirar. Devo respeito ainda ao monastério Aganju, mas sei que eles desejavam ver-me longe. Verto ainda as roupas que fiz para mim, mas o manto ocre com capuz do Monastério Aganju eu evito usar, pois sei que se envergonham de mim; não me consideram um irmão em vida.

Abandonei a vida monástica sob a justificativa de pesquisar sobre o mundo e trazer novos conhecimentos ao monastério. Em verdade, essa já era uma tarefa para a qual eu estava sendo preparado por Irmão Mbala; todavia, ele nunca dissera que eu estava pronto. Pronto eu mesmo me fiz ao notar que minha defesa estava enterrada com sete palmos de terra sobre si. Foi de bom grado que me dispensaram em minha missão. Sinto que esperam que eu desapareça no caminho, mas isso eu não farei. Coletarei conhecimento, um dia retornarei.

Não temo os olhares enviesados, não temo a besta semioculta de minha natureza repousando em mim, tampouco temo seres carnais ou espirituais. Temo apenas a extensão da inconsequência, a ação sem ponderação, o discurso sem reflexão - e todas as consequências daninhas que daí podem advir. Não busco riquezas, tampouco glórias, mas apenas a sabedoria da vivência, o controle de meus próprios vícios. Não defendo ninguém, não acuso ninguém. Não possuo filiações, não defendo ideologias. Minha busca é pessoal, mas também universal, já que ao mesmo tempo em que sou fruto do meio, influencio na formação desse meio. Sou o que sou pelo que somos todos nós.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Narradora

avatar

Masculino Número de Mensagens : 223
Data de inscrição : 28/05/2009

MensagemAssunto: Re: Essien   Seg 18 Jun - 8:00

Ficha aprovada.

Por gentileza vincule as informações da ficha aprovada em seu perfil, da seguinte forma:

Acesse seu PERFIL
Acesse a aba FICHA PIF VASTA
Habilite a Ficha
Vincule as informações da ficha aprovada em seu perfil.
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Essien
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Vampiros do Brasil :: PIF - Play In Fórum :: A Herança de Vasta: O Reino Caído :: Off Game :: Regras :: Fichas de Personagens-
Ir para: